MIMESE – FILOSOFIA DA ARTE

O Sinônimo da arte em Sócrates é a justiça (conceito intrínseco da idade média). Para Sócrates, a arte é transliterada na perfeição, o que para o homem é inalcançável. Sócrates define a arte como algo perfeito que só seria possível no mundo das ideias.

Diferente de Sócrates, Aristóteles traduz a arte na obra “À Poética”. Aristóteles justifica a arte pela contemplação especulativa imaginária. Aristóteles usa a Mimese como exemplo (conceito que constrói a imitação e a representação). Na Mimese, a imitação é contemplativa e a arte esta na persistência do homem em buscar algo inalcançável (utópico). Os olhos veem e projetam o futuro sobre a obra de arte, tornando-a transcendente. A beleza está no que é justo e a arte seria a supremacia da beleza. Logo, o que entendemos por arte nos dias atuais torna-se raso e superficial.

A beleza em sua totalidade é um deus invisível cujo trabalho é a felicidade plena pelo ato da contemplação. A “Suma Arte” é um Deus criado pelo homem, que não está no mundo paralelo e sim no consciente humano. Se perceber, tão somente o homem cria coisas para serem belas e adoradas.

Estudo Filosofia da Arte – Fagner Carvalho
[Arte] Luca Matticchio – pinterest.com

Bibliografia:
Arte no Pensamento de Aristóteles. In:Fernando Pessoa (Org.). Arte no Pensamento. 1ed. Vitória: Museu Vale do Rio Doce, 2006, p.72-88, 2006

TV PUC. Série Diálogos Impertinentes. PUC SP. 13/09/2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *