CURSO – História da Arte Brasileira

Este é um resumo super dinâmico sobre a arte no Brasil. Em poucos minutos você vai aprender sobre a arte indígena, bandeira do Brasil, arte africana e muito mais.

Como começou a arte no Brasil? Precisamos ir até o período pré-cabralino. Professor, o que é período pré-cabralino? Foi o período anterior à chegada dos portugueses no Brasil (1500), período em que muitas tribos passaram por aqui. Eles tentavam defender a existência, o que era difícil, pois o homem era um dos animais mais frágeis das espécies. Curtiu? Então se inscreva nesta aula e assista vídeos completos (repletos de imagens e ilustrações). Uma aula dinâmica para você que quer aprender em poucos minutos.

Sobre “A Primeira Arte” documentário do Brasil Paralelo – Opinião

A tentativa de marginalizar a música rítmica é patética. “Por ser desenvolvida no anseio popular, é facilmente adulterada”, é o que diz as entrelinhas do documentário, podendo causar danos ao cérebro humano (como se a música não pudesse ser alterada por inteira). Vale lembrar que a “música rítmica”, além de milenar, faz parte da história e do folclore dos povos indígenas e negros. A primeira manifestação musical humana registrada na pré-história, não foi a melodia e o ritmo. Dito isto, mesmo que subjetivamente, é o tanto quando infantil menosprezar uma característica musical por estar ligada a linguagem popular.

Alguns conceitos de Platão foram usados para justificar o “didatismo musical”, porém o seu melhor aluno, Aristóteles, tão importante quanto, não foi lembrado. Aristóteles impulsionou ideias subversivas a Platão. Para ele, a arte era despretensiosa, inútil. Enquanto para Platão, especificamente a música, era parte da educação. Nas devidas proporções os conceitos de Aristóteles teriam grande impacto no capitalismo hoje, já que o filosofo defendia a arte “por ela mesma” e não “para outros fins”. Talvez seria um argumento pertinente aos roteiristas do BP, uma vez que é possível notar a insistência da obra em provar que a música contemporânea é literalmente voltada para o lucro, o que também é estranho, pois o BP é capitalista e, como se não bastasse, apoiou o atual governo, este mesmo que aniquilou o Ministério da Cultura.

Também precisamos fazer alguns apontamentos pertinentes para elucidar a história de Pitágoras, já que o antigo sofista também foi citado no documentário. O BP ignorou as facetas ocultas e místicas dos pitagóricos, estes que tinham em Pitágoras um deus demiurgo. Há várias intepretações sobre a sua história, por exemplo, segundo Garbi (2006), todo o virtuosismo de Pitágoras, incluindo as questões musicais, foram absorvidos numa viagem misteriosa ao antigo Egito. Caso seja verdade, possivelmente temos em Pitágoras uma grande influência da cultura africana, o que não é confirmado. Porém, na época, sabe-se o quanto eram ricos artisticamente os egípcios e que muitos pensadores iam ter com eles nas escolas de mistérios.

Por fim, este é o Brasil Paralelo de sempre, um apanhado de retalhos históricos usados para defender uma ideologia. Isso prova o quando continua medíocre a visão conservadora desses meninos. Visão cujo ápice está enraizado em Olavo de Carvalho. Visão que coloca o conservadorismo brasileiro num déjà-vu irracional, onde as coisas velhas são melhores que as novas. É preciso entender que as músicas tocadas nas comunidades e favelas existem a partir de uma realidade, a questão é: como mudar esta realidade? Fato é que “cultura” não se aprende, se vive. A música se constrói de dentro para fora e não de fora para dentro. Concordamos que a qualidade da música brasileira precisa melhorar, mas nem toda a música precisa ser um livro de gramática. Precisamos de uma didática inclusiva, onde as questões sociais precisam estar presentes, em todos os sentidos, em todas as artes.

Fontes de Estudo:
As grandes ideias de todos os tempos “Filosofia 1.Kim, Douglas – DK Londres/Globo (São Paulo, 2016. p. 26)”.
Gilberto Geraldo Garbi (2006). A Rainha das Ciências. Editora Livraria da Fisica. p. 25.
ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução: Pietro Nassetti. Coleção A obra prima de cada autor. São Paulo: Martin Claret, 2004.
SANTORO, Fernando. Arte no Pensamento de Aristóteles. Vitória: Museu Vale do Rio Doce, 2006, p 78.

Atentado em Santa Catarina nos faz refletir sobre a segurança em creches e escolas

O atentado na creche em SC (Santa Catarina) que resultou na morte de três crianças e duas jovens, nos faz refletir sobre a qualidade da segurança em nossas escolas e creches. Diferente desta fatalidade, mas não menos importante, os números de morte em creches e escolas são assustadores, principalmente envolvendo acidentes. Segundo o INMETRO, a cada ano, cerca de 4,5 mil crianças morrem e outras 122 mil são hospitalizadas. Isso nos mostra que, nestes locais, a atenção precisa ser redobrada em todos os sentidos.

Dias de lágrimas para alguém que nos fez tanto sorrir – Paulo Gustavo

Sonhos tristes iluminarão o céu de maio. Nesta terça (4) nos deixou Paulo Gustavo. A morte deste grande humorista nos faz refletir sobre o que antes era dito (ou não dito), ou seja, atletas, pessoas saudáveis, jovens e não obesos, também estão vulneráveis. Não obstante, o que também nos faz refletir, é que este vírus não tem classe social. Ele abala não somente a saúde, mas todos os âmbitos da sociedade, como: cultura, comunicação e arte. Enfim, estamos todos vulneráveis. Solidariedade aos familiares do ator.

ARGUMENTO COSMOLÓGICO – TOMÁS DE AQUINO

Não há um rio que corra ao contrário. Tudo o que é arremessado deve cair. O Sol nasce para todos. A chuva molha a relva e oxigena as flores. Tudo é perfeição. Há uma perpendicular explicação que comprova as leis da física: o Universo não é caótico como queria Darwin. Eis a explicação para a suma perfeição, o privilégio de ter algo exterior a nós. De causa em causa chegamos à conclusão de uma causa única. Como diria Espinosa: “Tudo neste mundo é movimento e nada se move por si mesmo”. A Teologia que defende a existência de Deus é “Deus é causa suí”. Ou melhor, Deus é causa em si mesmo. Deus é a “causa das causas não causadas”. Deus é o que de fora ordena a suma perfeição.

Art: Michel Ange : La Création d’Adam de la chapelle Sixtine
In Summa Theologiae. Aquino, Tomás The Trinity: 1a. 27-32
Reflexão/Fagner Carvalho.

MIMESE – FILOSOFIA DA ARTE

O Sinônimo da arte em Sócrates é a justiça (conceito intrínseco da idade média). Para Sócrates, a arte é transliterada na perfeição, o que para o homem é inalcançável. Sócrates define a arte como algo perfeito que só seria possível no mundo das ideias.

Diferente de Sócrates, Aristóteles traduz a arte na obra “À Poética”. Aristóteles justifica a arte pela contemplação especulativa imaginária. Aristóteles usa a Mimese como exemplo (conceito que constrói a imitação e a representação). Na Mimese, a imitação é contemplativa e a arte esta na persistência do homem em buscar algo inalcançável (utópico). Os olhos veem e projetam o futuro sobre a obra de arte, tornando-a transcendente. A beleza está no que é justo e a arte seria a supremacia da beleza. Logo, o que entendemos por arte nos dias atuais torna-se raso e superficial.

A beleza em sua totalidade é um deus invisível cujo trabalho é a felicidade plena pelo ato da contemplação. A “Suma Arte” é um Deus criado pelo homem, que não está no mundo paralelo e sim no consciente humano. Se perceber, tão somente o homem cria coisas para serem belas e adoradas.

Estudo Filosofia da Arte – Fagner Carvalho
[Arte] Luca Matticchio – pinterest.com

Bibliografia:
Arte no Pensamento de Aristóteles. In:Fernando Pessoa (Org.). Arte no Pensamento. 1ed. Vitória: Museu Vale do Rio Doce, 2006, p.72-88, 2006

TV PUC. Série Diálogos Impertinentes. PUC SP. 13/09/2018.

O Eterno Retorno do Mesmo

Na perspectiva cosmológica de Nietzsche, a situação que estamos vivendo agora já ocorreu infinitas vezes e voltará a ocorrer infinitas vezes mais. O mundo não tem um só estado, e sim infinitos estados. Tudo tende a se constituir por um número finito de forças, forças essas que geram diferentes combinações. O tempo é eterno, logo, não há como impedir que tais combinações (forças) não se repitam. Segundo Nietzsche, é impossível impedir que tudo não retorne ao mesmo.

QUEM SOMOS NÓS? | Friedrich Nietzsche por ScarlettMarton | #ACasadoSaber. ADAPTAÇÃO, Carvalho. FGNDESIGNER. 

Curso de Filosofia – Sócrates, Platão e Aristóteles

Neste curso vamos abordar os pontos principais sobre os pais da filosofia grega: Sócrates, Platão e Aristóteles. Um curso elaborado para você que está começando na filosofia e quer aprender de forma rápido, dinâmico e descontraído. Que tal, vamos estudar filosofia?

Obs.: Estas aulas foram gravadas e planejadas para o Projeto Fgn Designer Arte & Filosofia no Youtube. Ou seja, as menções de links externos e a linguagem informal colocada, foram usadas pelas características do canal, o que não compromete o bom conteúdo do curso, sendo um curso exclusivo da Fgn Designer.

PLATÃO E O CONCEITO DE JUSTIÇA | Curso Básico de #Filosofia​ – Fgn Designer